A luta de três irmãs que tentam manter vivo idioma que só elas sabem falar – Raízes do Culto

A luta de três irmãs que tentam manter vivo idioma que só elas sabem falar

Raízes do Culto

A luta de três irmãs que tentam manter vivo idioma que só elas sabem falar

Considerada por historiadores a língua original do sul da África, N|uu está à beira da extinção.

Katrina Esau luta para salvar a vida de sua língua materna.

A idosa sul-africana, de 84 anos, é apenas uma de três pessoas no mundo capazes de falar fluentemente o N|uu, uma das línguas faladas pela comunidade San, também conhecida como Bushmen. Todas as pessoas pertencem à mesma família.

O N|uu é considerado a língua original do sul da África, mas está em uma lista da ONU de idiomas considerados “sob risco de extinção”.

“Quando era pequena, só falava N|uu e ouvia um monte de gente falando-a também. Mas agora isso mudou”, diz Esau, que vive na cidade de Upington, na província sul-africana de Northern Cape.

Por séculos, os San circularam livremente pela região vivendo da caça e da coleta de vegetais. Hoje, porém, as práticas desapareceram. Seus descendentes dizem que a língua é uma das últimas ligações entre eles e a história de seu povo.

Em uma pequena casa de madeira, Esau dá aulas de N|uu. Ensina para crianças da comunidade os 112 sons da língua, incluindo os 45 “estalos” (cliques).

“Não quero que o idioma desapareça quando eu morrer”, diz a idosa, que começou a dar aulas de N|uu há 10 anos.

“Quero passar o máximo que puder, mas tenho plena noção de que não há muito tempo”.

Em Upington, as pessoas hoje em dia falam principalmente o afrikaans, o idioma que evoluiu do holandês levado à África do Sul pelos colonizadores do país europeu, no século 17.

“O homem branco nos batia se nos visse falando nossa língua. Abandonamos o N|uu e aprendemos a falar afrikaans, embora não sejamos brancos. Isso afetou nossa identidade”, diz Esau.

As outras únicas pessoas que falam o idioma são as irmãs de Esau, Hanna Koper e Griet Seekoei, ambas com mais de 90 anos.

Apelida pelos alunos de “Vovó Pintinho”, a idosa diz ter esperanças de vencer a resistência da comunidade a falar o N|uu.

Fonte: http://g1.globo.com/educacao/noticia/a-luta-de-tres-irmas-que-tentam-manter-vivo-idioma-que-so-elas-sabem-falar.ghtml

Have your say